Eficácia do clareamento dental in vitro com enxaguatórios bucais clareadores
14-12-2023

Artigo científico que avaliou a eficácia do clareamento dental in vitro com enxaguatórios bucais clareadores, de autoria dos pesquisadores Ana Paula Morona Rodrigues, Mariele Cristina Klein, Mauro Antonio Dall Agnol e Sinval Adalberto Rodrigues-Junior, foi publicado no periódico Brazilian Journal of Oral Sciences https://doi.org/10.20396/bjos.v19i0.8656779.

Produtos clareadores de venda livre estão disponíveis no mercado odontológico desde os anos 2000, oferecendo alternativas para o clareamento dental sem prescrição profissional (receita de médico ou dentista). Este estudo investigou a eficácia clareadora de enxaguatórios bucais, comparando a eficácia de diferentes enxaguatórios na alteração da cor. Como comparação, também foi considerada a presença de peróxido de hidrogênio (água oxigenada).

O estudo utilizou sessenta dentes bovinos, que foram divididos aleatoriamente em três grupos de enxaguantes bucais convencionais (Colgate Plax, Cepacol e Listerine Cool Mint) e três grupos de enxaguantes bucais clareadores (Colgate Luminous White, Cepacol Whitening e Listerine Whitening Extreme). Os dentes foram imersos duas vezes ao dia nos enxaguantes bucais por um minuto durante 28 dias. Entre cada período de imersão, os dentes permaneceram em saliva artificial a 37 ºC. A cor foi medida no início, 7, 14, 21 e 28 dias usando um equipamento chamado espectrofotômetro.

Dos enxaguatórios bucais analisados, o Listerine Whitening Extreme era o único que possuía peróxido de hidrogênio (água oxigenada) em sua composição. Além disso, também foi o único que reduziu significativamente o amarelamento dos dentes e mostrou um verdadeiro efeito clareador. Enxaguatórios convencionais e outros enxaguatórios clareadores não produziram efeitos clareadores significativos durante o período do estudo.

Enxaguatórios bucais clareadores, excluindo o Listerine Whitening Extreme, não apresentaram efeitos clareadores substanciais em comparação com enxaguatórios convencionais. A presença do peróxido de hidrogênio no enxaguatório parece ser determinante do efeito clareador, e nem todos os enxaguatórios que se afirmam clareadores possuem peróxido de hidrogênio. O estudo ainda destaca a necessidade de investigações clínicas adicionais para orientar as escolhas dos consumidores e as recomendações por parte dos profissionais.

Fonte: Unochapecó

Comentar